sexta-feira, 5 de agosto de 2011




O pessegueiro que floriu em uma determinada época do ano
foi o mesmo que em outra estação fez cair todas as flores...
É que, em chegando a hora do ciclo natural das coisas
não há adubo nem água que os façam resistir.

Bom seria se tivéssemos essa serenidade na alma
para aceitar o tempo e o modo de cada passagem.
Assim, de maneira alguma ousaríamos intervir.

Arnalda Rabelo

2 comentários:

  1. Oi Arnalda
    Esse poema veio de encontro aos meus sentimentos nessa ultima semana quando perdemos um amigo aqui, um blogueiro escritor de lindos contos.
    Nao sei bem se era o seu tempo de ir , e a forma como foi é que nos chocou tanto.
    Serenidade é tudo que precisamos ter pra sair da dor , superar e seguir adiante.
    Lindo poema , oportuno.
    Beijinhos Arnalda

    * vou ficar um pouquinho mais aqui, lendo poemas maravilhos que só voce sabe escrever.
    Obrigada por compartilhar esse espaço lindo.

    ResponderExcluir
  2. Quanta paz existe neste cantinho!!

    ResponderExcluir



Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98, violá-los é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal Brasileiro.